segunda-feira, 23 de novembro de 2015

a mesa o pó o lenço a noite a chuva os punhos as palavras


a mesa o pó o lenço a noite a chuva os punhos as palavras__________peregrina é alma em indubitáveis códigos limpos da dupla semântica à procura do beijo lógico de uma linguagem irracional que abraça uma redação final de palavras em fatídicos punhais desfeitos num mural de lágrimas.
a chuva acorda a noite em desbaste dos punhos num laço de um lenço de pó e na mesa fica a escrita em trémula água dentro de uma uva.

Leandro Sá
(22-11-2015)

Lisa Gerrard-The Sea Whisperer



domingo, 22 de novembro de 2015

circunscrevo a palavra que corta


de esquecidos murmúrios de lagos e jardins
circunscrevo a palavra que corta
na amortalha preso a uma talha
de barro faz-se palavra

faúlha que se quer, parte e desata
por ser cria na mão de medusa
é lapso e é salto
por ser quebra fecha a porta

com ela a pedra e por ser pedra
circunscrevo o poço obscuro e escuro
o caminho de volta, as palavras
por ser mágoa é mágoa de gota que voa

o que dizer com ela
a este outro mais da palavra?
sem dizer diferente
digo palavra.

Leandro Sá
(22-11-2015)