quinta-feira, 3 de julho de 2014

a fragância nos ombros do grito


ascendeu no cárcere da brisa no largo da noite,
a ponte aberta no sono a romper todas as manhãs,
no círculo de cada hora em quebrada palavra a luz foi organza nos ombros do grito
 
a concordância da voz descreveu no corpo, a fragância, a lembrança no sonho
... um só instante a finitude infinita do amor.
 
...
02-07-2014

Sem comentários: