sexta-feira, 26 de julho de 2013

...,

Eu, mulher sem noite, levantei uma estrela caída

ando triste... triste,
um nada em nada, tropecei.

Ó pedra silenciosa!
em paciente lucidez, deixa-me ser pé deste teu corpo em tão ciosa pegada, que o tempo é rótula com a dor no fundo de uma floresta.

Di Vale Monteiro
(26-07-2013)

Sem comentários: