domingo, 26 de agosto de 2012

quadro com olhos de jarros no rectângulo de um cartaz


       ...ainda sobre a cor bordada do corpo
o dia abotoado na camisa
       ...quadro com olhos de jarros no rectângulo de um cartaz
os sapatos a atar os passos
assaz maneira que o fundo da carruagem era miragem
uma ave de ida com a avenida em contra regra, régua feita contraluz a medir a cidade deitada no vazio
da longa língua luzidia do asfalto um crivo a polir o silvo nos carris vem o pôr-do-sol escorregar na madeixa, o vulto das casas,
 
...antes do cair do dia poisa uma longínqua e esférica ameixa com pele de lezíria no nódulo da madeira sobre a mesa.
 
Hoje, comprei um relógio para que não falte a nenhuma hora todos os números para contar este redondo final...
 
Texto
Di Vale Monteiro
(25-08-2012)

Sem comentários: