quinta-feira, 24 de maio de 2012

o lapso, onde ato uma rasura

 
Escolho o talhe de uma nesga
              ...retalho, e escrevo-me

que seja a ausência medida inscrita,
no isento acento escrito numa ilha

em apertado pensamento de breve flecha, antes
          ...o lapso, onde ato uma rasura.


simplifiquei as pétalas do dia
sobre elas o sol, ainda batia
o tempo a entoar da porosidade
a fragância de uma rosa

a mim
voltei, trazia do caminho, dentro mim,
           ....em mim.


instituí a minha fundação para o acervo do erro
o resto é o contrato por uma mesa
espólio sem aprendizagem e sem ensinamento
arredondar a disciplina de uma vigia
servir-lhe de quantia
o consentimento na usura sem magia.

Nuno Teixeira de Sousa
23-05-2012

1 comentário:

Anónimo disse...

de uma beleza arrasadora. debaixo das pétalas. !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!




gostei muito! Nuno.

muito? não chega.....:)


beijo.



(i)