sábado, 3 de março de 2012

o estender dos dias


Desprender a tensão de toda a curva do arco na serenidade de uma flexa

corre com ela a mão cega ausente de toda a verdade, aberta em silêncio, grita o que não prende

autêntico é todo aquele correr dentro dela onde toda verdade não vem com ela

cego é o escuro naquele desencontro do arco e flexa.

Texto
Leandro Sá
(10-11-2011)

1 comentário:

AnaMar (pseudónimo) disse...

... e é quando o arco se curva que a tensão dispara...