quinta-feira, 22 de setembro de 2011

só para mim a segunda hora com a luz a dormir – na bainha do tempo sem imagem


(a Dário Quadros)

só minha...



o acordar da luz a dormir,

na fina linha branca nos lábios da brisa sobre os poros,

            a segunda hora,

pelo acerto da língua nos discos dentro dos calcanhares,



...só para mim




as duas sombras dobradas no fisco do batimento das pálpebras

pelas demoradas horas mortas inflectidas sobre os joelhos

agora...

sem os espinhos atados em capilares nas bainhas das calças

que me atrasam as sobras no sobrado do isco esquerdo



com o despertador apressado na língua

levo a dormir o aperto deste equívoco.

Nuno Teixeira de Sousa
(a Dário Quadros)
15-08-2011

4 comentários:

Anónimo disse...

silencio-me! em sentimento sentido de prazer. a poesia. vibrante!



obrigada Nuno.




imf

maria josé quintela disse...

todas as horas são de luz.



sem equívoco.

© Piedade Araújo Sol disse...

o acordar da luz a dormir...

profundo...

beij

Mєиiиα Bluє disse...

com o despertador apressado na lingua
levo a dormir o aperto deste equívoco.

Consegues levá-los a dormir? Os apertos dos equívocos aqui em mim jazem numa insônia enlouquecedora...

Enfim...

Tudo dói(me)