quarta-feira, 13 de julho de 2011

Laço fechado no fundo de um sobressalto

 
lado a lado ando com o silêncio, 
sem perceber o agora aqui,
não sei para onde vou

... porquê ...este vir?

que comprometimento!...

que se prende a mim
neste andar, eu preso a ele

                            ... este silêncio
como cordeiro nas mãos de um anjo

que absurdo pensar é este...

... a avultar-me o passo
vulto do corpo, por esta margem,
a volutear o caminhar
em gestos de glosar a roupagem
neste represo sem explicação para este (des)manto
que cai dos ombros, laço fechado no fundo de um sobressalto,
a golpear o sentir.

Sandro Osório
30-11-2011
 

5 comentários:

Graça Pires disse...

Lado a lado com o silêncio para que as palavras construam o poema.
Muito belo!
Um beijo.

© Piedade Araújo Sol disse...

e o silêncio, pode ser um bom caminho para o poema.

beij

tb disse...

Silêncio talvez o melhor caminho e companhia para nos encontrarmos na nossa essência e logo, à poesia.
Belo, como sempre este cantinho de bom gosto!
Beijinhos.

Anónimo disse...

a palavra e a música

aqui me prendem


grata
fr

Anónimo disse...

que se prende. como um tear de sílabas arduamente intensas. algumas quasi esmagantes. um manto aberto onde se abrem novos horizontes. e sempre fico "nua" ante um léxico poético fora da margem usual. belíssimo cântico Nuno. belíssimo. muito obrigada. beijo.




imf