terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

O sal e o olhar frente ao mar

 
Com o olhar frente ao mar
preso no horizonte da ilha dentro de mim.
... o pensar em ti
traz-me o distante o aroma rubro do sal
a cintilar no murmúrio do teu cabelo
aquele mudo desalinho na inquietação do amor
no desvario dos passos perdido na areia.

... ainda em mim
... o bálsamo do sal
... e um pensamento
... parte do mar que ficou dentro de mim
que se faz palavra
fala desacreditada da alma.
há sempre uma lágrima mais a navegar frente ao mar
a procurar nas palavras a voz de onde me afasto.
um tão presente regresso
a inspirar o sopro do teu nome
na nascente das brisas do mar.

queria ter o tempo das palavras simples,
gema de eternos diamantes,
ser só lugar de único pensamento
... pensar em ti.

Nuno Teixeira de Sousa
03-01-2011

8 comentários:

Graça Pires disse...

De tanto olhar o mar, os olhos ficam salgados e azuis...
Gostei muito do poema.
Beijos.

alice disse...

"procurar nas palavras a voz de onde me afasto": gostei muito deste verso. a música é lindíssima, nuno!

tb disse...

Tendo o mar pro companheiro tudo o mais se concentra em nós e no nosso olhar, sabemos-nos a sal, maresia e sol. :)
Que belo, Nuno. A música adoro-a. Tenho-a lá também. :)
beijinho

© Piedade Araújo Sol disse...

o tempo das palavras sim+çes
o tempo junto ao mar
o sal
a escorrer no olhar
o sol
a derramar-se no corpo.

muito bom o teu poema.

beij

Anónimo disse...

bom dia OLHAR de dentro.




abraço.






imf.

Eduardo Aleixo disse...

Gostei muito do seu poema.
Hei-de visitá-lo mais vezes.
Um abraço.

Canto Turdus Merula disse...

Eduardo obrigado pela visita.
Sempre bem-vindo por este canto
Lugar de prazer por saber da sua presença.

Um abraço.

Anónimo disse...

uma palavra...


grata
fr