quinta-feira, 4 de novembro de 2010

(do tempo 04 sem imagem)

(do tempo 04 sem imagem)

o vento grava linha cava
na carena batida do barco
em aurora do sono na plantação das sementes
um repartido arco sem agravo da palavra ausente
porque...
é também cava a anteface no côncavo das mãos onde se arruma rumo da alma

Nuno Teixeira de Sousa
04-11-2010

Sem comentários: