quarta-feira, 9 de junho de 2010

No abismo sombrio dos dias



Transeunte vencido
Pela passagem do fogo extinto
Nos (des)sentidos dos sentimentos

Pressinto-te na distância
Em constante presença
Nas ondulações de imaginar-te em mim

Rasgos do teu sentir invadam o imaginário do tempo
Perfuram a perscrutação de outro tempo
Invento-lhe a sua cadência onde mora o meu sentir
Das dobras na malha que cerca a marcação da luz
Trazem consigo tudo do que no sonho já não existe
Espalham o sonho no abismo em dias sombrios


Nuno Teixeira de Sousa
27-05-2010

9 comentários:

© Piedade Araújo Sol disse...

o fogo
ainda arde
em mim
e
as faulhas
ainda que espalhadas
são o renascer
em ti!

sombria será a manhâ
quando o sonho nao existir
em mim.

gostei do teu poema!

beij

Luana disse...

"Rasgos do teu sentir invadam o imaginário do tempo
Perfuram a perscrutação de outro tempo
Invento-lhe a sua cadência onde mora o meu sentir..."

fico sem palavras, é lindo demais!

___

um beijo imaginário.

Luana

Canto Turdus Merula disse...

Piedade A. Sol

Gosto muito do seu olhar poético sobre o poema

As suas palavras também me fizeram lembrar de um anterior texto “Refugo do refluxo do sonho”, 21-04-2010, talvez com palavra pouco fácil, em termos mais eloquentes do seu uso, mas com idêntica intensidade interior.

Independente da subjectividade singular no interior de cada texto, sempre motivo de apreciação, interessa-me particularmente também a sua força de génese mais universal.

Muito obrigado

Canto Turdus Merula disse...

Luana

Grato por trazer suas agradáveis palavras

Gisela Rosa disse...

"A tua seta atirada ao alvo
fende o céu
e este logo se une..."


José Tolentino Mendonça, O Viajante sem sono, p. 24

Canto Turdus Merula disse...

Gisela Rosa

Bonita forma das palavras em poema

Agradável saber que o nosso sentir
Tem sempre um outro lugar
Com outro olhar

Grato por esta inspiração

maré disse...

algures
numa qualquer esplanada
sobre o tempo
esqueci o calendário do sol.

creio ainda:
existes em mim.

a última aresta de ilusão
um risco de antigo fogo
na antologia da minha solidão.


___

obrigado e um beijo

Canto Turdus Merula disse...

maré

a poesia dentro do seu quadro
que magnífica vibração
cores e textura da sua alma

Gosto muito do seu gesto em cores de poesia
Muito obrigado.

Luana disse...

Passo só p te deixar um bjo grande.XD